Abençoados Os Que Vem

Abençoados Os Que Vem

ABENÇOADOS OS QUE VEM

Assim fui recebida ao entrar em Israel. Não pelo guarda na alfândega (apesar de ter sido surpreendida por tamanha delicadeza ao abrir minhas coisas e confirmar se o meu sistema de áudio não é mesmo uma bomba!), mas por e-mail, pela minha mãe. Segundo o que aprendi com ela, é como se deseja as boas vindas em hebraico: “B’ruchim HaBaim”, “Abençoados os que vem”.

Lindos, como esta frase cheia de delicadeza e com um traço de fé, foram nossos dias em Israel. A emoção de pisar lá mais uma vez trouxe memórias, saudades e coisas novas, já que desta vez estou aqui com meu marido.

PRAZER EM SE DAR PRAZER

Chegamos em Eilat, ao sul de Israel. Uma cidade como as nossas do litoral norte, em que israelenses vão passar o final de semana. Tivemos sorte de chegar lá em um sábado e, de cara, presenciar uma noite que (pra mim) mostra a sabedoria do povo judeu de saber ainda ser feliz depois e durante tanto sofrimento. Em uma praça perto do centro, um grupo de pessoas em sua maioria adultos, dançava seguindo sempre uma coreografia diferente, ao som de músicas judaicas. Um DJ comandava o som. A alegria estava no ar. Fiquei até com uma certa inveja, queria saber alguma sequência de passos para entrar lá e fazer parte. Mas o que realmente tomou meus pensamentos foi ter me dado conta de como é bonito ver gente ter prazer simplesmente pelo bem que ele faz, o prazer em se dar prazer, sem vergonha dos outros, em público, algo que raramente vejo as pessoas fazerem hoje em dia.

TEL AVIV

Fomos à Tel Aviv, cidade grande, agitada. Lá passeamos pela cidade, fomos ao museu da Diáspora e também aproveitamos para colocar a vida em dia. Tem dias nessa viagem que precisamos reabastecer o estoque de farmácia, supermercado, e uma ou outra coisa nova como sleeping bag e mat! Sim temos acampamento pela frente! A cidade ferve à noite e é lotada de jovens por todos os lados.

CASAMENTO ECUMÊNICO

De lá fomos à Jerusalém, a Terra Santa de tantos povos. Eu me lembrava em partes de lá, mas não lembrava ao certo o grande muro que separa a cidade antiga do mundo. Me lembrava de umas escadarias para se chegar ao Muro das Lamentações, mas não lembrava onde começavam e quando terminavam no impactante encontro com o muro. Mesmo já tendo estado lá, tudo foi uma grande novidade. Ter me dado conta do grande Casamento Ecumênico que é Jerusalém, talvez só tenha sido possível por causa do meu casamento ecumênico. Além da parte judaica, conheci as outras histórias de Jerusalém, que eu sabia que existiam, mas não tinha idéia que estavam apenas há alguns quarteirões de distância.

Tão intenso como o Muro das Lamentações onde a fé é demonstrada de diversas maneiras, como colocar um papelzinho com pedidos entre uma pedra e outra, rezar encostado ao muro com o livro de reza em mãos, chorar, lamentar ou simplesmente se concentrar na dedicação à fé, é a Igreja do Santo Sepulcro, onde debruçadas na pedra em que Jesus foi crucificado, pessoas encostam objetos pessoais para dar sorte, ou então despejam água benta em seguida limpando a grande pedra com pano como ato de devoção. Atos de fé que podem durar horas.

Jerusalém é denso. Como disse uma grande figura que conhecemos “Isso aqui é uma doidera! Todo mundo junto. Judeus, muçulmanos, católicos, tudo junto!”. Pode-se sentir a vibração e a carga de religiosidade no ar. O muro das lamentações, junto à grande mesquita, a alguns metros da Via Dolorosa… todos circulam pelas lindas ruas estreitas de pedras cor de areia, um verdadeiro labirinto de ruas, idéias, crenças, imaginações. Um pequeno mundo de diversidades. Um oráculo, intenso, aberto para o mundo e fechado em suas convicções.

O lado judaico de fato é mais envolvente para mim. O Yad Vashem, Museu do Holocausto, é de emocionar, chocar e retornar às raízes. Gosto de estar em Jerusalém, ver e reviver o que faz parte da minha tradição familiar.

MASADA E MAR MORTO

Um dia antes de sairmos de Jerusalém, a caminho de Masada e Mar Morto, senti um alívio enorme quando meu pai me relembrou ao telefone que em Masada tem teleférico!!!! Três dias em Jerusalém foram mais do que suficientes para estarmos sonhando com um dia sem caminhar, só descansando. Subimos de teleférico aquela montanha cheia de histórias e ruínas. Onde no alto, um escrivão diariamente fica em um quarto escrevendo a Torá. De lá passamos pelo Mar Morto, confirmando que ele é muito mais bonito e mais verde visto deste lado!

O CHARME DE ROSH PINAH

O caminho de Masada, passando pelo Mar Morto, Mar da Galiléia, Tiberias, é lindo demais. Para, por fim, chegar em uma linda cidadezinha chamada Rosh Pinah. O mais gostoso de estar lá foi poder ver onde os israelenses passam os finais de semana, já que a cidade não é nada turística, é bem local mesmo. Ao subirmos no ponto mais alto da cidade, que tem 3 ruas apenas, com lojinhas charmosas e uma sinagoga bonita, tivemos a oportunidade de conhecer a pessoa que fez o mirante. Um senhor, que como muitos em Israel, perdeu seu filho na guerra e que, mais uma vez como muitos, construiu algo em sua homenagem. Neste caso um mirante, mas vimos também outras coisas como por exemplo uma casa à beira da praia que serve como ponto de encontro de amigos. Foi muito interessante perceber que estes memoriais são sempre feitos para que as pessoas possam usufruir, compartilhar, estar lá para lembrar de quem lutou pelo país.

ROSH HANIKRÁ E HAIFFA

Seguimos no dia seguinte para Rosh Hanikrá, a fronteira com o Líbano. Grutas antiqüíssimas se desgastam com a batida das águas. Em Haiffa dormimos uma noite, onde visitamos o famoso Jardim Baha’i. Enorme, acompanhando a lateral de um grande morro, terminando em uma das ruas mais agitadas de Haiffa. Impressionante.

KIBBUTZ

Um dos momentos que mais esperávamos chegou. Em contato com uma querida amiga tivemos o privilégio de sermos convidados para ficar em um kibbutz. É o maior kibbutz de Israel, também considerado um dos mais legais, onde moram 1.500 pessoas, entre elas famílias, jovens recém casados e senhores, em frente a uma linda praia.

O kibbutz é uma mini cidade, onde tudo funciona perfeitamente. Como se vivêssemos em uma cidade onde o prefeito e o governador correspondessem a todas as nossas expectativas e o dinheiro fosse realmente revertido a toda a população em forma de saúde, educação, meio de transporte, alimentação. Como se tivéssemos um coordenador geral ciente de quando precisamos ir ao médico, terapia, dentista e nos avisasse sem que precisássemos marcar. Alguém que sabe que casei e não preciso mais que uma casinha para dois, e depois quando veio o primeiro filho que preciso de um lugar maior, o segundo filho e um lugar maior ainda… e assim por diante. Um lugar onde o objetivo principal é fazer o que se gosta, ser feliz e não correr em busca do dinheiro, já que cada um ganha o valor referente ao tamanho de sua família, seja coordenador do kibbutz, seja cozinheiro, seja professor ou funcionário da fábrica de plástico, grande responsável pela manutenção do kibbutz. Um mundo perfeito, pode-ser dizer um tanto utópico para o mundo de hoje. Mas encantador para quem pode ver de perto.

ZIKHRON E CESAREA

O kibbutz fica entre duas lindas cidades. Zikhron, uma cidadezinha bem pequena onde a rua principal concentra toda a vida da cidade, bem bonitinha, onde fomos passear duas vezes. E Caesarea, uma cidade construída há mais de 2000 anos atrás, hoje lindas ruínas em uma praia maravilhosa.

Israel foi um destino colocado e tirado do roteiro algumas vezes. Uma vez por motivos de segurança, outra porque o tempo apertou e se não viéssemos agora sabíamos que com certeza voltaríamos com nossos filhos um dia. Mas deu certo, passamos por aqui, visitamos muito mais do que achamos que conseguiríamos em duas semanas. Mais uma vez Israel e sempre com uma perspectiva diferente, são abençoados os que vem!

  1. Estou feliz por viajar com vocês por Israel. Quando Flavia era adolescente, queria ir para um Kibbutz. Cheguei a falar com seu avô e ele ficou de ver, mas, o tempo passou e a vontade se perdeu. Fizemos esta viagem ha pouco tempo e a emoção tomou conta das duas. Voltar com vocês foi muito bom. Eu no seu lugar estaria dançando sem me importar com a coreografia. Choramos e rimos muito pois alugamos um carro e o trânsito em Jerusalem é caótico. Ficamos perdidas e chegamos a um lugar com certo perigo. Os guardas nos pararam e nos mandaram de volta. A estrada para Tiberiades com tantas flores me deixou alucinada. Fiquei empolgada e não paro de escrever tomando o seu precioso tempo. Quando voltarem, espero estar com vocês para podermos falar e ouvir. Dia 12de outubro viajo com Flavia para N,York e Nova Inglaterra para apreciar as folhas do outono. Voltamos no dia 3 de novembro. Beijos e carinhos Lucia

    1. o trânsito de jerusalém é impressionante!!! só alugamos carro quando saimos de lá, ainda bem!!!
      pode escrever sim! adoro… o que mais adoro neste blog é ver que consigo tocar as pessoas e receber isso de volta em forma de palavras! é lindo!
      vamos nos encontrar na volta, com certeza!
      boa viagem!! te espero aqui de volta!
      beijos

  2. Cabecinha, 
    suas palavras sempre nutrem meu coração! Ver e ouvir ( sim, pq eu ouço vc falando, acredite!!!!) o que vc tem vivido eafirma que isso sim faz sentido! OBRIGADA POR SEMPRE TRAZER LUZ AO MEU CAMINHO!!!!
     
    Ah, obs: vc ta mega escritoraaa, to arraseidedddddd!!! Luxxxxxoo!!!!

    1. cabecinha!!! linda!!!!
      que lindo o que vc disse. sim, isso que faz sentido na vida! e estar com as pessoas que a gente ama! tenho saudades disso…
      obrigada pelos elogios… mas mega ecritora vc exagerou, vou te pedir emprego na volta desse jeito! mas pode me corrigir no que precisar!!! obrigadaaaaa!
      saudades…

  3. OBRIGADA RO!!!
    Minha vontade é de te agradecer!
    Obrigada por me mostrar o mundo desta forma!
    Nunca saberia como Israel é tao linda…. a gente pensa que, com tantas guerras, Israel é uma cidade destruida… Que engano!!! Que surpresa mais linda!!!
    Que delicia saber que existe um mundo perfeito, que sao os kibbutz!!! Gente do céu… o que vcs estao esperando para viver em um kibbutz??? Quem nao é judeu pode morar ai?
    Li em um livro que nos kibbutz nao havia terra fertil e que os judeus reiventaram as terras e conseguiram viver do plantio tranformando tudo em terra fertil…
    Obrigada Ro por me provar que sonhos sao possiveis e que  o mundo é muito mais bonito do que se pensa…
    Bjs com muitas saudades!

    1. lê,
      que coisa mais linda tudo o que vc disse… tô emocionada…
      o mundo é complexo, pelo menos o que vimos… é bonito, mas acho que o mais bonito é a maneira como olhamos, pq ele às vezes é injusto, às vezes machista, outras triste e sujo… mas acho que no fundo, graças a D’us, guardamos as coisas boas….
      obrigada a você por estar próxima, vivendo tudo isso com a gente!
      saudades!
      beijo enoooorme

  4. Ro e Guto!!!
    Que gostoso poder ler e saber aonde estao e como estao…sempre entro para saber as novidades
    e as vezes reclamo quando entro e nao vejo nada de novo ehehehe
    me sinto parte da viagem de vcs …conhecendo o mundo pelos olhos de vcs!
    AMO
    Me emociono com suas palavras…
    Estou anciosa para ler sobre o Ejito e a Africa!!!
    Beijinhos
    tati

    1. oi tati!
      vc não só se sente parte da viagem, como fez parte dela!! a prova está aqui, nos dias deliciosos que passamos juntas.
      vou tentar manter as novidades em dia pra vc não reclamar de mim… hahaha…
      beijo grande

  5. Queridos Gu e Rô
    olhando as fotos me dá uma saudade enorme da  viajem que fiz no ano 2000 onde tb. tive o privilégio de passar por lugares tão especiais e fascinantes.
    Amei ISRAEL….
    Beijos mil
    Marília

    1. oi marilia,
      nem acabamos a viagem e já estamos com saudade dela… é a melhor coisa que existe na vida!
      beijo grande

  6. rose!
    dessa vez o meu comentário vai para o “pensei”e (entre parenteses), um lindo de emocionar e pensar e outro cômico!
    sempre bom ouvir vocês!
    beijos!
    niu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

− 1 = 1