Cingapura é muito mais que uma conexão

Cingapura é muito mais que uma conexão

Para quem não vê um mapa faz tempo, pode ter certa dificuldade em achar Cingapura. Em algum lugar na ásia, onde tudo funciona, excelente local para conexão de vôos baratos. Esta pequena ilhota, o menor país do sudeste asiático, está localizada entre a ilha de Sumatra e Malásia e nos reservou muito mais do que apenas um “hub” para Hong Kong. Ficamos seis dias em Cingapura e partimos com um gostinho de quero mais.

Após alguns meses viajando, os sentimentos de chegadas e partidas são intensos. Enquanto o primeiro marca as diferenças entre expectativa e realidade, o segundo alimenta o desapego e a vontade de seguir adiante. Não há muito tempo para digerir sensações numa viagem como esta. O tempo de digestão segue a respiração.

Com mais de 5 milhões de habitantes, a cidade-país não é nem cheia nem vazia. Tudo funciona, todos falam inglês. O transporte público é impecável, paga-se conforme a distância percorrida. Dos simples aos mais sofisticados, os restaurantes deixam qualquer exigente paulistano de boca aberta. A cidade é plana, fácil de andar. Muito verde, muitos parques, com um jardim botânico que deveria ser rebatizado de “parque” botânico e virar patrimônio da humanidade.

É incrível se deixar encantar com certa faceta multicultural e histórica. Das exposições de jovens artistas à excelência da sinfônica da cidade. Cruzar a esquina e dar de cara com o bar onde Nick Leeson tentava digerir sua famosa conta 88888 que arrastou à falência um dos mais tradicionais bancos ingleses, entender porque a pitoresca embaixada da tailândia continua fincada entre modernos complexos de shoppings ou descobrir um turco que vende bonecos alemães de madeira em um elegante shopping da Orchard Road. Ir a Cingapura é entender o porque do reticente relacionamento com os japoneses e as causas e conseqüências de um regime político parlamentar dominado por um único partido a mais de 50 anos. A cada esquina uma surpresa, uma ponte, um botero, um dali. Um monumento de mau gosto! Tudo bem, não importa. Gosto não se discute, ainda mais em Cingapura.

Fomos conhecer o zoológico da cidade e seu conceito diferenciado que busca aproximar os animais de seu habitat natural. Não há grades. Cercas de madeira, água e muito verde separam os animais das pessoas. Muito capricho. Ao lado do zoológico, um safári noturno permite às pessoas observarem os animais ao relento. O “caminho dos morcegos” – mangrove walk – é imperdível para quem gosta de um pouco mais de adrenalina! Em ambos os parques, é notável os projetos de preservação de espécies em extinção, parcerias com ongs e empresas na adoção de animais, a conscientização pelo respeito à vida, a reeducação de adultos e crianças. Percebe-se claramente que os animais são cuidados com carinho por equipe especializada. Apesar de nossa inclinação de que os animais devem estar no seu habitat natural, vimos de forma bastante positiva o conceito do parque. Importante para os visitantes perceberem as conseqüências de seus atos, os maus-exemplos do passado, mas que ainda há tempo para mudar antes que seja tarde. Entre outras benfeitorias, aproximar as crianças dos bichos é desde cedo estabelecer uma ligação de respeito em sua forma mais pura.

Meca do consumo, roda gigante de 165 metros, projeto megalomaníaco Marina Bay Sands ou o mundo do entretenimento de Sentosa Island é reflexo da busca por substituição de receita. Cingapura está em processo de transformação e busca por alternativas para substituir a decadente competitividade da indústria manufatureira local. Expatriados atraídos pelas módicas alíquotas de imposto de renda fazem conta para antecipar a aposentadoria ou aumentar o poder de compra ao luxo que a cidade oferece. Afinal cingapura é cara! Muito cara! de onde vem tanto dinheiro? Pergunte aos chineses.

legenda: tudo o que está em rosa são mega shopping centers!

  1. Singapura é realmente um show ! Muito legal vcs verem os animais sendo respeitados… Ontem vimos no Fantástico uma mátéria sobre um cara que se passava por ambientalista mas que na verdade era patrocinador de caçadas no pantanal… Vi muitas imagens de onças pintadas mortas por pura crueldade… Felizmente a PF pegou os caras!
    Saudades
    Rubens

  2. Se não fosse pela saudade, diria para vcs continuarem por muito mais tempo contando tudo que sabem ver e contar.Um beijo para a Faniquita e Marcio, milhões para vc e um para o Guto rsrsrsr

    1. vamos matar a saudade logo, logo…. enquanto isso vamos lotando as caixas postais de vcs com besteiras! 🙂
      beijos dados, o Guto te manda um beijo também! rsrsrs

  3. Por isso que minha amiga Marcinha disse que morria de saudades de Cingapura ao se mudar para Holanda…além de tudo em Cingapura tem babá, e ela tem 3 filhos…
    Paraceu muito legal , fiquei curiosa….
    bjs

    1. hahaha… olha, eu não tenho a menor paciência pra shopping, foi praticamente um desafio passar duas tardes enfiada dentro deles, ainda mais sem poder comprar!!!!
      beijos

  4. esse mapa rosa chock fala mais do que 100000 palavras! iguatemy no chinelo! haha!
    gu, eu não tinha visto o autor do texto… mas qdo li “aliquota”, “impostos” e etc… fui verificar para ver se minha amiga tinha enlouquecido de vez… ufa, era vc escrevendo!
    beijos e saudades!!!!!
    niu!

    1. neu,
      iguatemi no chinelo total, vc não sabe o que são lindos estes shoppings, além dessa quantidade absurda!
      hahahahaha, isso que é me conhecer bem!!!!!!!! eu falando alíquotas e impostos seria do além mesmo!
      enlouqueci, mas sob controle!
      saudades!
      beijos

  5. Minha melhor amiga se mudou para Cingapura à dois anos e ela só fala bem de lá. Ano que vem eu vou viajar para ficar com ela durante um mês. Você disse que é uma cidade muito cara, mas ela me diz que lá é tudo muito barato. Segundo a mãe dela, você tem que saber onde comprar as coisas. Mas eu adorei saber sobre a sua viagem, ter uma opinião de uma turista e não uma moradora, já que, quando eu for pra lá, eu vou ser turista.
    Beijos,
    Gilda Pestana

    1. olá gilda,
      estamos fazendo uma viagem longa, para nós cingapura foi cara comparada a outras lugares na ásia…
      achamos cara sim, mas independente vale a pena a visita!
      boa viagem, mesmo que ainda falte tempo….
      beijos

  6. Ontem, por acaso só se falou em Singapura, pois minha neta resolveu trocar a Disney por Singapura. Hoje, quando entro no Relicário encontro suas impressões sobre a cidade. Ela ficou ainda mais animada e lhe passou uma mensagem sem dizer que era minha neta. Agora até eu fiquei entusiasmada. Beijocas

  7. Oi queridos,
    To quietinho aqui observando os passos de vocês dois… Cada dia que eu leio os posts e vejo as fotos tenho mais e mais certeza de que vocês estão aprendendo aquilo que só o mundo pode ensinar: o valor aos amigos, à vida e o respeito pelas pessoas (coisas que vocês já sabiam antes, mas reforçadas agora). Fico feliz em saber que os bons amigos que tinha antes desta viagem. voltarão ainda melhores! Beijos (e eu continuo aqui de olho)!

    1. oi ro,
      que delícia receber sua mensagem! e saber que está quietinho, mas está aí… 🙂
      estamos aprendendo mais e mais, essa viagem é realmente sentir a vida e o mundo na pele.. vale cada minuto. é uma viagem intensa!
      beijo enorme

  8. Oi Casal!!!
     
    Nossa… nao achava que Cingapura era tudo isso!!! Sei lá… achei que era meio atrasado… gostei muito do seu Texto guto!!!
    E que DEMAIS o zoologico “natural”!!!! INCRIVEL!!! Adorei!!!
    bjs

    1. lê,
      cingapura é demais! se não fosse do outro lado do mundo mudariamos pra lá amanhã! é super desenvolvido….
      bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

78 − 73 =