Cabe mais um???

Cabe mais um???

Na prática, um pouco do que foi a nossa ida à Java… dicas e experiências “esdrúxulas” como eu disse no texto anterior, dando vida a dias maravilhosos!

BOROBUDUR E PRANBANAM

Borobudur e Pranbanam ficam longe da cidade, a 1 hora mais ou menos. Fomos e voltamos de carro com um valor para ida e volta, é assim que a maioria das pessoas faz por aqui.

Fomos à Borobudur para ver o nascer do sol, vale a pena mesmo pagando mais por isso.  A dica é ir bem cedo, entrar no templo antes de abrir, às 6h AM. Pois às 5h AM tem você e mais 10 pessoas no máximo, do minuto que abre em diante (exatamente às 6:01 AM), o templo lota com excursões e excursões de escolas e japoneses falando alto com suas muitas câmeras disparando flashes, aí esquece de tirar qualquer foto ou curtir o templo no silêncio e beleza do amanhecer. A sensação de estar lá apenas com poucas pessoas e apreciar a beleza do lugar, a medida que o dia nasce, é única.

Fomos à Pranbanam às 16h para ver o templo e depois o Ramayana Ballet. Vale a pena ir à tarde e já ficar para ver o balé. O esquema é extremamente bem feito, você janta lá mesmo em um bom restaurante ao ar livre com a vista linda do templo.

MOUNT BROMO E IJEN CRATER

Primeira dica importante: para ir ao Mount Bromo, a melhor opção é dormir em Cemoro Lawang. Para ir a Ijen Crater, a melhor opção é dormir em Sempol.

Depois de pegar um avião de Bali para Yogyakarta descobrimos que os vulcões que queríamos visitar eram no meio do caminho entre um e outro… ou seja, teríamos que nos organizar para voltar… nessas horas que vemos como faz falta um Lonely Planet!!!!! Somos quase viciados! Não significa que seguimos tudo à risca, o gostoso de viajar também é descobrir as coisas sozinho, por acaso, andando de lá pra cá, mas isso acontece mesmo com um guia em mãos… à caminho dos destinos certos sempre nos perdemos em novidades incertas.

Enfim, decidimos pegar um avião de 30 minutos para Surabaya (cidade à leste de Java), há também a possibilidade de um ônibus ou trem “over night” (7 horas), mas os valores não eram assim tão diferentes e, sabendo o que nos esperava no dia seguinte optamos pelo vôo. De Surabaya pegamos um ônibus saindo do aeroporto para ir à rodoviária que durou 45 minutos. Você pode tanto ir de ônibus como de trem à Probolinggo, optamos pelo ônibus por forças maiores: não havia transporte público do aeroporto à estação de trem. Ônibus saem de 10 em 10 minutos para Probolinggo. Pegue o ônibus executivo, é bem barato e depois que você entra nele você fica se perguntando “se esse é o executivo como será o econômico????”. Preste atenção ao entrar no ônibus se realmente tem lugar para sentar, eles colocam mais gente do que assento e você corre o risco de ir de pé 2 horas!!! Nós chegamos a entrar em um ônibus onde o cobrador nos disse: sentem vocês dois neste assento!!! Descemos e pegamos o próximo! Não que os assentos deste fossem confortáveis e espaçosos, mas pelo menos fomos sentados.

Leva 3 horas até Probolingo, lá você para em uma pseudo rodoviária que não é nada mais que uma agência de turismo onde você troca de ônibus. Na frente desta sala você encontra muitos outros turistas de todos os lugares do mundo tão perdidos quanto você. Conversando com algumas pessoas confirmamos que é bagunçado mesmo, que ninguém sabe nada. Então você espera para pegar o shuttle até Cemoro Lawang, finalmente. Ele acontece da seguinte forma, ele não tem hora pra sair, o motorista fica esperando lotar e você simplesmente espera. O shuttle tem dois lugares na frente, ao lado do motorista, mais 3 bancos atrás onde cabem 8 pessoas no total e você só vai confortável se tiver 1,40m de altura, pois a distância entre o seu banco e o da frente é de 30cm no máximo!! Neste shuttle que cabe 10 pessoas, eles enfiam 15!!! Como?? Aperta!!! Se vira! E dos lado dos bancos onde é a passagem para sentar eles colocam uns banquinhos de madeira! Surreal! Inexplicável! Nem foto mostra o que é isso. Na ida, estávamos em 10, sugerimos pagar um pouco a mais cada um que estava lá para o shuttle sair enfim!!! Estávamos desesperados para chegar no destino final. Deu certo! Sugiro fazer isso.

Na volta isso não foi possível, mas depois de viver a experiência da ida, a volta se torna engraçada.

Shuttle de Cemoro Lawang para Probolinggo: 15 pessoas esmagadas! Quando pararam no último hotel para pegar o último casal que completaria as 15 pessoas o cara disse: “Impossível, não cabe, não vou aí!” E o motorista respondeu calmamente e seguro de seu posição: “Então você quer ficar aqui? Essa é a única maneira!” E assim nos apertamos 15 pessoas, em uma hora divertida de viagem, onde um casal de Madrid se apertou no banco para me dar espaço e o papo fluiu a viagem inteira.

De Probolinggo mais um shuttle à Sempol! De novo, lugares ruins, fomos nos 2 da frente, ao lado do motorista! 4 horas de viagem! Coluna quebrada! De Sempol iríamos de volta à Probolinggo para voltar à Surabaya, enquanto a maioria saia de Sempol para pegar o ferry à Bali.

Nos haviam prometido que teria um shuttle para nos trazer de volta, só não nos contaram que era o mesmo que iria até o ferry, ou seja, ao invés de fazermos 4 horas de viagem de volta, fomos ao ferry deixar a maioria (2 horas) para depois voltar!!!!!

Não há como conseguir mudar isso, não há mais shuttle, quando você tenta reclamar com os motoristas, para eles é tudo tão natural e da maneira como eles sabem fazer, que você fica realmente sem argumentos, pois é outra cultura, outra maneira de pensar, é como funciona o esquema.

Enfim de volta a Probolinggo e quando achamos que o pior tinha acabado e estávamos focados em pegar um bom lugar no busão para voltar à Surabaya, nos colocaram em um busão que deveria ser o expresso, assim como na vinda, mas não, entramos no busão local!

Uma verdadeira experiência! Como eu disse, na volta tudo é mais engraçado e você se prepara psicologicamente para encarar.

Teoricamente 3h30 de viagem, nas paradas entrava gente vendendo comidas locais, bedidas, enquanto um homem ao nosso lado do ônibus transportava galinhas em cestos e caixas de papelão… o ônibus diminuía a velocidade, enquanto o cobrador gritava para a rua tentando conseguir mais passageiros, sem parar, apenas devagar, pessoas abriam a porta e saltavam para dentro. Na mesma política do shuttle o ônibus só engatou a velocidade quando lotou!

Só não esperávamos pegar a hora do rush e nossa viagem de 3h30 virar 6h!!!

  1. Wow! Essa foi pesada hein!
    Eu achei que já estariam em Stambul, aliás outro dia li um artigo sobre o stancool, um festival. gostei! Quando vão se encontrar? Não vai levar meus queridíssimos amigos nessas viagens de onibus, vai?? rsrsrs
    Bjs

    1. oi mônica,
      estamos em istambul sim! é que nem sempre conseguimos escrever os textos a tempo… quando vc entrar no blog, pode ver lá em cima o “onde estamos”…
      estamos aqui com meus pais! claaaro que não faria isso com eles!!! rs….
      beijos

    1. oi tio roger!
      viajando muito mais do que pagando micos!!! mas tem lugares que não temos opção como eu disse… e todos passam por isso… tudo é aprendizado e são coisas que fazemos uma vez na vida… e só!!!! rs…
      pode vir!!! estamos te esperando!!!
      beijos

  2. Só de ler fiquei com dor nas costas !! Um beijão pra vocês!! E o cabelo do Guto heim? Tá parecendo o Johny Bravo !!!!
    Um beijão pra vcs e que a viagem continue sendo linda e cheia de coisas boas!
    Fiquem com Deus! 🙂
    Rubão

    1. oi!
      o cabelo do Guto está lindo! o melhor corte desde que conheço ele, o meu medo é a volta, quando ele voltar a cortar o cabelo onde cortava…. prefiro assim!
      obrigada sempre pelas mensagens, rubão!
      bjs

  3. “… decidimos pegar um avião de 30 minutos para Surabaya (…) há também a possibilidade de um ônibus ou trem “over night” (7 horas), mas os valores não eram assim tão diferentes…”
    Bela decisão!!! Nada como a grande experiência do Ferry Boat “over night”… Panghan, Panghan!!!

    1. oi erik!
      foi uma bela decisão sim! mas o resto do dia, como vc pode ver, não tinhamos outra alternativa. por isso quando pudemos escolher, escolhemos o “fast”. mas, comentamos aqui entre nós, que agora vc (e nós) pode ficar  tranquilo, pq participou do 2º pior perrengue da viagem… esse aqui ganhou!!!!
      beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 8 =