Do 8 para o 80

Do 8 para o 80

Ao sairmos da Nova Zelândia e darmos um fim nos nossos 26 dólares neozelandeses em chocolates (para não sobrar com dinheiro de outro país na mão), mal sabíamos que estávamos fazendo a melhor coisa que uma pessoa pode fazer antes de entrar na índia. O fuso caiu quase 9 horas. Estávamos a 16h de diferença do Brasil, agora estamos a 8h30. Os chocolates serviram tanto para as acordadas no meio da noite sem sentido ou, às 6h da manhã quando…

Read More Read More

As vacas de Opash

As vacas de Opash

Coincidências da vida. No avião indo da Nova Zelândia para Índia, sentamos ao lado de um alemã, muito simpática, que por acaso havia estado na Índia há um ano atrás. Agora pegava um avião de volta para a Alemanha, com escala em Cingapura, enquanto nós pegamos o avião de ida a Índia, com a mesma escala. Lá estávamos nós, conversando sobre a Índia, por um mero acaso do destino. A única coisa que nos faltava para organizarmos melhor nossa viagem,…

Read More Read More

Índia Ville

Índia Ville

Eu nunca fui de jogar The Sims, Farm Ville ou coisas do gênero, mas pela primeira vez resolvi jogar, no meu imaginário, “Índia Ville”. A primeira coisa que fiz foi entrar em contato com o Embaixador do Brasil na Índia. Ele me atendeu e, com muita gentileza, escutou o que eu tinha a lhe dizer. Me colocou em contato com o 1º Ministro e conversando com ele, expus minhas intenções e consegui um empréstimo do governo para arrendar um lote…

Read More Read More

Um tigre, dois tigres… sem tigres

Um tigre, dois tigres… sem tigres

Como uma prévia dos safaris que faremos na África, resolvemos parar em Ranthambhore onde há um parque nacional, para conferir o safári. Afinal de contas, como seria um safári na Índia? O texto curto é simplesmente informativo para dizer que definitivamente não vale a pena. O sistema é extremamente amador. Acordamos bem cedo, havia duas opções de fazer o Safári: de ônibus (um ônibus aberto, que cabe 20 pessoas) e jipe. Estávamos esperando uma desistência para poder ir no jipe,…

Read More Read More

Fórmula Mágica

Fórmula Mágica

Um megalomaníaco + muitos e muitos kgs de ouro + 20 mil operários + mármore marchetado + entalhes + caligrafia incrustrada + tulipas, lírios, narcisos em cornalina, lápis-lazúli, turquesa e malaquita = a imagem islâmica do que seria o paraíso!

Índia – parte 2

Índia – parte 2

Numa Índia cheia de tradições como o sistemas de castas, adoração à ídolos e riuais, ao chegar em Amritsar encontramos uma índia um pouco diferente: homens com turbantes, cabelos longos, espadim e pulseira prateada são três do cinco símbolos que definem um ”Sique”. Os outros dois símbolos tradicionais, roupa de baixo e pente, não conferimos. O siquismo é uma fé reformista, prega um mundo igualitário e com um único, Deus, que vai contra tudo o que vimos até agora sobre…

Read More Read More

Troca da guarda

Troca da guarda

Após 40 minutos de carro, partindo-se de Amritsar, pudemos conferir a famosa cerimônia de encerramento das atividades no posto de controle na divisa da índia com o Paquistão. Países que desde 1947, quando conquistaram sua independência, continuam tendo relações restritas em disputas pela região da Caxemira. Pensávamos ser algo simples, rápido e com poucas pessoas, já que o “evento” ocorre diariamente. Pensávamos! Aliás, é isso que faz a diferença, isso que me faz gostar da Índia, ela te surpreende o…

Read More Read More

Kumbh Mela

Kumbh Mela

O que torna uma viagem como esta instigante é a possibilidade que temos de mudar o roteiro quando quisermos e, mais ainda, quando encontramos pessoas no caminho que nos acrescentam informações e nos fazem querer mudar. Assim foi desde que decidimos ir à Índia e viajar pelo “Rajastão”. Um amigo nos comentou que Amritsar era imperdível! Outro nos disse que Udaipur não era tudo isso. E um casal que conhecemos nos falou sobre um festival que a gente não podia…

Read More Read More

Live to learn and you learn to live

Live to learn and you learn to live

Além da mudança de roteiro quando queremos, há também a necessidade de mudar de roteiro quando não queremos. Logo em seguida de fazermos a nossa vontade indo ao Kumbh Mela, fizemos a vontade do acaso vindo a Mussoorie e não ao programado ashram. Ao sair do festival fomos direto a Rishikesh, estávamos com tudo programado para ficar cinco dias em um ashram. Como somos iniciantes no assunto, tudo o que tínhamos era uma dica ou outra de um amigos e…

Read More Read More

Viver a cidade

Viver a cidade

Depois de um tempo de convivência, as pessoas acabam tornando-se amigas. Narender já em Mossoorie, nos convidou para jantar no Guest House onde estava hospedado. Organizou tudo com o cozinheiro do “hotel”, encomendou a comida, comprou as cervejas. Ao chegarmos em Delhi, reforçou o convite para jantarmos na sua casa. Dois dias livres em Delhi e o convite para jantar na casa de um “amigo”, nos fez viver mais a cidade. Andar a pé livremente, conhecer as ruas, pegar o…

Read More Read More